Home

Palestras IECIM - Tema: Amigo dos Livros




Expositor: Laerson Cândido de Oliveira

Tema: Amigo dos Livros

Local: Instituto Espírita Cidadão do Mundo-Unidade Butantã

Data: 09/11/2013

Leia mais...

 

Palestras IECIM - Tema: Santana de Paranaíba


Expositor: Laerson Cândido de Oliveira

Tema: Santana de Paranaíba

Local: Instituto Espírita Cidadão do Mundo-Unidade Santana de Parnaíba

Data: 09/11/2013

Leia mais...

 

IECIM Aula XXXIV-O que é o terceiro estágio do psiquismo humano e o que se espera dele?


Curso de exercício da mediunidade e vivência na exposição evangélica

Aula XXXIV-O que é o terceiro estágio do psiquismo humano e o que se espera dele?

Expositor: Laerson Cândido de Oliveira

Local: Instituto Espírita Cidadão do Mundo-Unidade Butantã

Data: 06/11/2013

Leia mais...

 

Uma vida sem acasos - Caso Clínico


Como Plínio Bolívar de Almeida descobriu a fé pela razão

Era uma tarde de terça-feira em abril de 2005, quando Plínio Bolívar de Almeida chegou em casa. O advogado, então com 70 anos, estava preocupado. Acabara de receber os exames de urologia do Hospital Albert Einstein em São Paulo. Fora diagnosticado com hiperplasia da próstata – quando nódulos se formam na região e comprimem o canal da uretra, podendo levar a lesões nos rins. Nesses casos, o paciente tem um aumento da frequência das micções, principalmente à noite, além de dores na bexiga e na uretra. O médico apontou a necessidade de cirurgia, que ficara marcada para a quarta-feira da semana seguinte.

“Eu estava apreensivo porque havia acabado de me casar pela segunda vez”, lembra Plínio. Ele e a mulher, Paula, fizeram planos de constituir uma família. Plínio já era pai de quatro filhas, mas Paula ainda não era mãe e tinha esse sonho. Uma cirurgia na próstata, a glândula que compõe o sistema reprodutor masculino, poderia colocar tudo a perder.

Café

Plínio pensava nesse dilema quando recebeu o telefonema do amigo Flávio. “Me serve um café? Estou na porta da sua casa”, disse Flávio ao advogado. Plínio estranhou. Ele mora no Jardim Guedala, na zona sul de São Paulo, nas proximidades do estádio do Morumbi. “Não é uma rua de passagem”. Flávio encontrou o amigo abatido e perguntou o que era. Plínio contou seu problema de saúde e Flávio fez um pedido. “Adie a cirurgia e venha comigo ao centro no próximo sábado”, disse Flávio, referindo-se ao Instituto Espírita Cidadão do Mundo (IECIM).

Plínio não era espírita. “Faço parte das estatísticas de católicos do IBGE, uma imensa maioria não praticante”, diz. Seu pai era espírita e, uma tia, umbandista. Mas ele, que teve uma formação política de centro esquerda, nunca foi afeito a cultos religiosos. Apesar de estranhar um pouco o convite de Flávio, sabia que devia confiar no amigo. “Flávio é uma pessoa pública, esclarecida, tinha um alto cargo na Receita Federal de São Paulo, não iria me chamar para ir a um lugar se não acreditasse que era bom”, afirma.

Cura Clínica

Quando chegou ao IECIM, Plínio foi atendido pelo Dr. Adolpho, um dos mentores espirituais da casa, que realizou a cirurgia da próstata no paciente. Plínio voltou para casa, fez repouso e seguiu uma dieta leve no domingo. “Na segunda-feira, não sentia mais nada”, afirmou. “Os sintomas desapareceram e eu fiz novos exames”.

As avaliações médicas não apontaram problema algum na próstata. Ao ver o resultado dos exames, o urologista disse que aconteciam várias coisas misteriosas na medicina. “Eu disse a ele que havia me submetido a uma cirurgia espiritual”, lembra Plínio. “Eu não acredito”, respondeu o médico. “Mas você teve uma cura clínica, está aqui”, afirmou.

Alexandre

Depois de obter a cura pelo centro, Plínio passou a frequentá-lo regularmente. Fez curso de médium e está desenvolvendo a psicografia. Participa das reuniões mediúnicas às quintas e do atendimento espiritual, aos sábados. E o mais importante: Alexandre, hoje com seis anos, nasceu dois anos depois da cirurgia. “Sou pai, avô e bisavó do meu filho”, brinca. “Sou grato ao centro pela minha saúde, que me permitiu ser pai”, diz Plínio, que convidou o amigo Flávio para ser padrinho do caçula. O advogado afirma ter encontrado algumas respostas no Espiritismo que lhe satisfizeram no aspecto intelectual. “A reencarnação foi uma delas”, afirma. “Eu não consigo interpretar que a minha vida - ou de qualquer ser humano – simplesmente acaba. ‘Na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma’”, diz ele, lembrando a máxima do químico francês Antonie Laurent Lavoisier. No IECIM, diz ele, conseguiu as respostas que buscava e atendeu sua necessidade de culto.

Até que, em maio deste ano, o problema voltou. Desta vez, com um agravante. O Seu nível de PSA (antígeno prostático específico), uma enzima usada para indicar a presença de câncer na próstata, subiu muito rapidamente. O urologista novamente indicou a necessidade de cirurgia.

Providência

“Mas desta vez fui mais esperto”, lembra o advogado. “Simplesmente disse para o urologista: vou olhar isso mais para frente. E fui ao IECIM”, diz. Chegando ao centro, sem ter dito absolutamente nada sobre o seu problema de saúde, o Dr. Adolpho lhe perguntou se poderia operá-lo. Plínio fez a cirurgia e, mais uma vez, passou por dois dias de repouso, com uma dieta leve. Depois desta experiência, o paciente diz ter reunido novas provas científicas da eficácia da intervenção espiritual. Ele voltou ao Hospital Albert Einstein para um exame complexo e detalhado, uma ressonância magnética específica para mapeamento da próstata. “Deu tudo negativo, o PSA voltou ao normal”, afirma.

Desta vez, o urologista (que não foi o mesmo que o operou da primeira vez), disse que Plínio havia sido novamente curado. “Nem me dei ao trabalho de dizer a ele que passei por uma cirurgia espiritual”, diz. “Sei que a sua resposta seria de incredulidade”. O advogado, por sua vez, nem se preocupou quando recebeu o diagnóstico pela segunda vez. “Eu tinha absoluta certeza de que seria curado no IECIM”.

Além da fé, Plínio a ter certeza da providência divina. “Sabia que o meu amigo Flávio não tinha passado em frente à minha casa por uma coincidência”, diz. Plínio diz ter certeza que precisava da cura para que o filho fosse concebido. “O acaso é o nome que os tolos dão a Deus”, afirma.



 

Palestras IECIM - Tema: Capítulo XII-Amai aos vossos inimigos


Palestra sobre o Evangelho segundo o Espiritismo

Tema: Capítulo XII-Amai aos vossos inimigos

Expositora: Brasiliana Hermínio

Local: Instituto Espírita Cidadão do Mundo-Unidade Butantã

Data: 05/11/2013

Para aprofundar no estudo clique e leia o Livro: O Evangelho segundo o Espiritismo

Leia mais...

 

Amor aos Inimigos

Amar aos inimigos, na conceituação de Jesus, não será praticar servilismo ou bajulação.

É compreender, acima de tudo, que as faltas daqueles que não se afinam conosco poderiam ter sido nossas e imaginar quão felizes nos sentiríamos se tivéssemos, porventura, os nossos erros desculpados e esquecidos, por aqueles aos quais tenhamos ofendido.

Efetivamente, ser-nos-á possível amar aos nossos adversários, cultivando atitudes diversas, quais sejam:
Orar pela felicidade deles, no silêncio do coração, a envolvê-los em vibrações de paz e encorajamento;
Destacar-lhes as qualidades nobres, quando em conversação com pessoas amigas, ao redor de ocorrências que lhes digam respeito;
Desembargar, quanto se nos faça possível, de maneira oculta e indireta, os caminhos para as realizações que demandem;
Auxiliar-lhes os entes queridos, quando estejam à frente de problemas que lhes surjam no cotidiano, de modo a aliviar-lhes as provações;
Induzir companheiros a prestar-lhes apoio nas tarefas úteis a que se empenham; 
Mentalizá-los sempre tranqüilos e felizes; 

Desencorajar quaisquer campanhas negativas, tendentes a suscitar-lhes desgostos e prejuízos; sobretudo, não nos referirmos, em tempo algum, a essa ou aquela dificuldade que nos hajam causado.

Não digas, portanto, que não podes amar aos inimigos, porque existem vários meios de endereçar-lhes compreensão e afeto, sem humilhá-los com a nossa possível benevolência.

Decerto Jesus, quando nos aconselhou amar aos ofensores, não desejava transformar-nos em carpideiras, junto daqueles que, acaso, não nos entendam ou nos firam e, sim, espera que os tratemos a todos, na condição de irmãos autênticos e, tanto quanto nós, amados filhos de Deus.

Emmanuel, Do livro: Monte Acima, Médium: Francisco Cândido Xavier


 

IECIM Aula - Obsessão (Aula II)


Curso de aprofundamento do estudo e educação da mediunidade.

Aula -  Obsessão (Aula II)

Expositora: Sônia Pegas

Local: Instituto Espírita Cidadão do Mundo-Unidade Butantã

Data: 04/11/2013

Para Visualizar os Slides da aula, Clique em Obsessão

Para Visualizar os Slides da aula, Clique em Vampirismo e Parasitismo

Leia mais...

 

Imortalidade

A morte não é o fim.

Criado para a vida, o espírito transfere-se constantemente de um estado vibratório para outro, sem perder a imortalidade.

Repara nos exemplos da natureza.

A destruição da semente em contato com o solo não passa de transformação da vida gerando mais vida.

O sol, que se oculta com a chegada da noite, ressurge a cada amanhecer, sem jamais deixar de brilhar.

Se te ressentes da ausência do afeto que a desencarnação transferiu para a vida no Além, não te revoltes nem te desesperes.

Corações amoráveis o acompanham, tanto quanto a ti, a fim de que a vida de cada um siga em paz na direção do progresso. 

Confia no Pai e prossegue vivendo, fazendo o melhor ao teu alcance.

A felicidade de quem segue no Além, muitas vezes, depende do equilíbrio de quem permanece na Terra.

Entrega-te ao trabalho construtivo, orando e servindo, e contarás com os eflúvios de luz e paz que vertem do Alto, favorecendo-te na jornada redentora, até que te reencontres com os corações queridos, em comunhão de amor nos domínios da eternidade. 


ANTE A SAUDADE

Transforma a saudade dos que partiram para o Além, em ação fraterna no auxílio aos mais necessitados.

O Bem que faças na Terra é prece que se eleva às esferas maiores, estreitando os laços que te ligam á espiritualidade.

A paz de quem partiu é sentir a paz de quem ficou.

Trabalha, serve e ama. 

A caridade e a fé determinarão o clima para que superes a hora dolorosa, e permaneças em feliz comunhão com as almas queridas.

Scheilla

 Com a guerra no continente Europeu, aflições e angústias assolaram a cidade de Berlim, na Alemanha, onde Scheilla atuava como enfermeira ajudando seu pai Dr. Adolfo. Seu estilo simples, sua meiguice espontânea, muito ajudavam em sua profissão. Bonita, tez clara, cabelo muito louro, que lhe davam um ar de graça muito suave. Seus olhos, azuis-esverdeados, de um brilho intenso, refletiam a grandeza de seu Espírito. Estatura mediana, sempre com seu avental branco, lá estava Scheilla, preocupada em ajudar, indistintamente. Esquecia-se de si mesma, pensava somente na sua responsabilidade. Via primeiro a dor, depois a criatura... Numa tarde de pleno combate, desencarna Scheilla, a jovem enfermeira. Morria no campo de lutas, aos 28 anos de idade. Muitos anos depois, surgia nas esferas superiores da espiritualidade, com o seu mesmo estilo, aprimorado carinho e dedicação, Scheilla, a Enfermeira do Alto!

 

IECIM Aula XXXIII-O segundo estágio do psiquismo humano


Curso preparatório de exercício da mediunidade e vivência na exposição evangélica

Aula XXXIII-O segundo estágio do psiquismo humano

Expositor: Laerson Cândido de Oliveira

Local: Instituto Espírita Cidadão do Mundo-Unidade Butantã

Data: 30/10/2013

Leia mais...

 

<< Início < Anterior 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 Próximo > Fim >>

Página 169 de 201

Translate
English French German Italian Russian Spanish
Doações
Banner
Pesquisar
Facebook
Popular
Direitos Autorais

Amigos, nossas postagens, fotos, estudos, vídeos e outras publicações são recebidas de amigos ou autorizadas pelos seus responsáveis. Primamos pela ética e o respeito aos Direitos da Propriedade Intelectual. Se você é proprietário de algum material publicado neste site, por favor, informe para que possamos legalizar a divulgação ou proceder a sua imediata retirada. Clique aqui.